Consultor de Esquadrias

01.01.2012


Profissional deve possuir conhecimentos multidisciplinares para desenvolver, acompanhar e atender às necessidades de cada obra

Normalmente, um consultor de projetos de esquadrias tem em seu currículo, além da especialização no assunto, experiência e diversidade de atuação profissional. Por exigir múltiplas habilidades, dificilmente o mercado dispõe de jovens profissionais nessa área.

O consultor de esquadrias tem sob sua responsabilidade o projeto e o estudo de caixilharia, que preveem a perfeita combinação do produto e seus complementos com as outras interfaces da construção civil. Esse profissional deve conhecer as normas existentes e a aplicação de métodos de ensaio para avaliar os perfis e linhas necessárias, de modo que os componentes tenham a qualidade ideal às características da construção em termos de estanqueidade, cargas, pressões e vedação.

O consultor é acionado antes do início do projeto de esquadrias, atuando com grupos multidisciplinares, como as equipes de fundação, instalação, estrutura, mecânica e arquitetura. Todo esse conhecimento vem da atuação multidisciplinar do profissional, que embora esteja focado em sua especialidade, deve estar envolvido com as demais variáveis do canteiro. Como é imprescindível dominar conceitos e cálculos estruturais e possuir muita familiaridade com processos construtivos, os melhores consultores no mercado têm formação em arquitetura ou engenharia.

É o caso de Paulo César Duarte, da Paulo Duarte Consultoria. O arquiteto formou-se em 1958 e, desde então, se interessou pelo desafio de trabalhar com novas soluções industriais, o que lhe permitiu amplo conhecimento técnico: "Em minha trajetória, tive a oportunidade de desenvolver uma visão eclética sobre o processo construtivo e arquitetônico de um empreendimento e isso me proporcionou uma série de conhecimentos e habilidades", diz. Ele ressalta ainda que trabalhar com esquadrias foi a sequência de seu interesse por construções com concreto aparente, sistemas de fôrmas, impermeabilização e patologias de obras.

Para Duarte, além de desenvolver, conhecer e acompanhar o projeto e o processo de fabricação e instalação de esquadrias, o profissional deve ter antes de tudo experiência em processos estruturais e arquitetônicos, afinal, é ele quem assessora o arquiteto que assina a obra e dá respaldo ao processo construtivo. "Por estar à frente no processo decisório, o consultor tem que ter disponibilidade para o conhecimento, sempre buscando os melhores e inovadores processos tecnológicos", completa.

Entre as habilidades fundamentais está a de assegurar os prazos de entrega e a qualidade do serviço para poder apresentar a melhor solução para cada empreendimento, aprovar a proposta junto ao fabricante e, ainda, avaliar as condições de instalação e lidar com possíveis problemas como vedação, dilatações, revestimentos ou cargas de vento.

Currículo
Atribuições: a atuação do consultor é subdivida em três estágios: ele é responsável pelo desenvolvimento de produção em que serão definidos o projeto e a engenharia necessária; pela fabricação, para analisar os perfis e tecnologias encontradas no mercado que são adequadas àquela obra; e pelo processo de instalação, com a finalidade de conferir e garantir quesitos como estanqueidade, colocação de contramarcos, chumbamento, guarnições etc.

Formação: embora não seja regra, é desejável que o profissional esteja habilitado em profissões como arquitetura ou às diversas engenharias

Experiência: para ser considerado um consultor em esquadrias o profissional deve ter amplos conhecimentos em construção, dominar aspectos técnicos como dimensionamento, ser minucioso quanto aos detalhes por conta dos perfis, cargas de vento e estanqueidade, além de estar sempre bem informado sobre novas tecnologias

Aptidões: conhecimento das técnicas e normas regulamentadoras, cálculos estruturais, técnicas de construção para viabilizar a instalação e projeto, conhecimento técnico teórico e prático avançado em projetos de esquadrias e estar apto a desenvolver ensaios técnicos

Leituras recomendadas: livros, catálogos de empresas especializadas em esquadrias e bibliografias que explorem a construção de fachadas como um todo e não somente o processo de caixilharia

Remuneração inicial: o consultor de esquadrias pode cobrar seus serviços de diversas formas: por hora técnica, caixilho por prancha e valor global de um projeto. A remuneração depende necessariamente do reconhecimento do mercado quanto às habilidades desse profissional

O profissional

Como foi o início de sua carreira?

Sou técnico em edificações pela Fundação Getúlio Vargas e formado em designer industrial pela FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado) há 18 anos. Minha experiência com esquadrias começou na Paulo Duarte Consultores, onde atuei por oito anos desenvolvendo projetos e diagnosticando patologias. A partir daí fui me aperfeiçoando nessa área. Tive a oportunidade de atuar em algumas construtoras e há dois anos trabalho na Afeal.

Como você se atualiza profissionalmente?

Procuro estar sempre atento às novas tecnologias aplicadas em grandes obras, tanto em projetos de esquadrias padronizadas quanto em esquadrias especiais, sendo que nesta última participo do PSQ - Programa Setorial da Qualidade em Esquadrias de Alumínio do PBQP-H (Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat) da Abal (Associação Brasileira do Alumínio).

Quantas horas, em média, trabalha por dia?

Trabalho cerca de oito horas e ministro três horas-aula diariamente para as turmas de Serralheria do Senai.

Quais são suas principais atribuições em seu atual trabalho?

Dou suporte técnico e presto esclarecimentos às dúvidas técnicas das construtoras, fabricantes e empresas associadas; participo da produção de manuais técnicos; realizo a programação de cursos em esquadrias; acompanho as especificações e alterações das normas técnicas e atuo, ainda, no desenvolvimento de projetos de equipamentos que facilitam a produção do fabricante.

Com quais outras áreas da construção você mais interage?

O consultor lida com o processo do início ao fim. É ele quem desenvolve o projeto de esquadria, busca e qualifica os fabricantes que atendem à demanda da obra e ainda acompanha o trabalho de instalação. Nesse processo, estão envolvidos engenheiros, arquitetos, fabricantes, instaladores, serralheiros e vidraceiros.

Quais as maiores dificuldades enfrentadas no cotidiano?

Acredito que equilibrar e viabilizar os projetos. É preciso ter um amplo conhecimento dos sistemas desenvolvidos e das linhas disponíveis para realizar a triagem das empresas que farão parte da fabricação dos perfis. Além disso, é preciso também adequar as necessidades da obra à NR 10821 - Desempenho e NBR 6123 - Normas de Ventos para Edificações.

Do que você mais gosta em sua profissão?

Estar sempre envolvido no processo como um todo. É preciso ter um conhecimento muito amplo da parte estrutural da obra para depois pensar na estética. Atuar nas três frentes do produto facilita a conciliação e a resolução de problemas.

Marcelo Scandaroli

Retirado de:

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/145/carreira-consultor-de-esquadrias-131683-1.asp

Data de Publicação:

13/06/2013 ás 16:00

Voltar
Rua Engenheiro Bianor,164 - CEP: 05502-010 - Butantã - São Paulo - SP
© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados

Telefones: 55 11 3816-0122 / 3816-5311 / 3817-5665
Email: contato@aluparts.com.br / aluparts@aluparts.com.br