Como Especificar vidros para a construção

05.07.1999

Uma especificação técnica é um documento que pode estar completanto com desenhos, com proposito de descrever um material e o procedimento construtivo para uma obra de arquitetura e construção civil.

Sua função é fornecer informações ao construtor, para que ele possa interpretar e administrar claramente as características do material requerido e sua forma de montagem e adequada na obra.

Sua redação é de responsabilidade do projetista e seu texto deve ser breve e preciso, incluindo quando necessário, plantas e detalhes dimensionados.

Além de sua descrição genérica e a fim de facilitar a aquisição do produto, é aconselhável indicar sua marca e/ou os nomes dos fabricantes.
Para assegurar o bom desempenho de um produto, sempre é conveniente fazer menção as Normas. Quando corresponde cumprir com aspectos requeridos nos códigos de edificações, indicar o artigo e capitulo correspondente.

Especificação de vidros para construção

Pela variedade de situações do envidraçamento que podem ser exigidos em uma obra, não é possível uma especificação genérica pra todos os casos. Uma especificação completa para vidros deve indicar e descrever as características e performance do produto requerido para cada aplicação e fornecer os detalhes de desempenho e conforto que devem ser atendidos em obra.

1-Esquadrias para receber o vidro


Todos os componentes da esquadria devem estar desenhados e dimensionados para receber o vidro especificado. Sua resistência estrutural será necessária para suportar o peso do vidro sem deformar. A cavidade de colocação deve estar perfeitamente alinhada nivelada e a prumo.

O alojamento para o vidro não pode apresentar obstáculos que possam danifica-lo durante a sua colocação e/ou pro movimento da esquadria durante seu acionamento; por exemplo, não podem existir parafusos salientes.

É imperativo considerar a forma segura de retenção do vidro junto com seu procedimento de colocação na abertura. Do mesmo modo, levam-se em conta as tolerâncias de corte e eventual deslocamento do tipo de vidro considerado. O Desenho da esquadria deve evitar a acumulação de umidade no canal de colocação do vidro, no qual deverão existir dutos de drenagens para o exterior.

2- Instalação do vidro

Uma instalação adequada deve prever a necessária separação frontal e perimetral entre o vidro com o marco e os baguetes de fixação.

Adequadamente centrado em seu alojamento, o vidro deve “flutuar” livremente na abertura, sem que os elementos da esquadria o impeçam, e dando o espaço necessário para permitir sua vedação.

As dimensões do baguete devem ser adequadas para segurar o vidro em sua abertura, contra a pressão ou sucção de vento ou para absorver as solicitações dinâmicas e/ou eventuais deformações dos componentes da esquadria.

Deve-se deixar espaço necessário para incorporar os componentes de vedação, assegurando a estanqueidade.
As dimensões do baguete não devem ser excessivas na altura, pois podem provocar na altura, pois podem provocar tensões térmicas que levam o vidro á ruptura por diferença de temperatura entre o centro do vidro e suas bordas que, por estarem cobertas, encontram-se mais frias.

3- Instalação

Uma vez definida a espessura do vidro, a seguinte tabela fornecerá as dimensões necessárias para sua adequada colocação em esquadrias com apoio em suas quatro bordas.

Tipo de Vidro Espessura Nominal (mm) Dimensões Recomendadas
fl (mm) E (mm) fb (mm)
Vidro Simples <4 3 12 3
Monolítico ou 4 5 12 5
Triplex Float 6 5 12 5
*Incolor 8 5 12 5
*Colorido 10 5 12 5
*Refletico 12 5 12 5



4- Calços de assentamento

Cada vidro se apoiara centralizado no perfil, sobre calços de elastômero com dureza de 70 -90 shore. Os calços se distribuem a ¼ dos extremos do vidro e sua dimensão varia entre 50 e 100 mm conforme o peso do vidro. Sua espessura será igual ou maior que a espessura do vidro considerado.
Os materiais adequados para esta função podem ser EDM, PVC ou madeira á prova d’água.
A disposição dos calços devem seguir a Norma NBR 7199.

5- Espaçadores Laterais

Sua função é evitar o contato entre o vidro e metal. Os espaçadores laterais serão colocados em ambos os lados do vidro. Sua dimensão é de 50 a 75 mm e estão separados de 300 a 600 mm entre si. Sua dureza será de 70 ~90 shore.
Obs. As gazetas continuas, e que envolvem o vidro, eliminam a necessidade dos espaçadores laterais.

6- Componentes para instalação

Para obter estanqueidade no encaixilha mento de um vidro, recomenda-se o emprego de gaxetas de EPDM. Seu tipo e composição deve ser de acordo com a Norma NBR 13576. A gaxeta deve permanecer, sem alteração em suas características pelos menos 10 anos.

Não se recomenda o emprego de massa de vidraceiro á base de óleo e acetona. Nenhum componente de vedação deve ser diluído com nenhuma classe de solventes.

Quando se empregar gazetas de EPDM, deve-se realizar uma selagem complementar entre a gaxeta e o vidro ao longo de seu perímetro externo. Para a vedação de vidros laminados com PVB, deve-se ter especial cuidado na escolha do selador, pois certos componentes contem substancias que podem afetar a lamina de PVB. Deve-se empregar um produto neutro, livre de ácido acético e solventes.

7- Condições de envidraçamento

As dimensões do vidro serão definidas para sua adequada colocação. Os cantos do vidro devem apresentar suas bordas cortadas em forma reta livres de rebarbas.

Quando se emprega cristal laminado com PVB, ambos os vidros deverão estar alinhados.
É recomendável lixar suas bordas e arredondar suas quinas.

Todas as superfícies a vedar devem estar limpas e secas. A temperatura do vidro e dos componentes da esquadria será adequada para permitir a colocação e a cura dos componentes selantes.

8- Cristal de cor ou refletivo

Todas as unidades de vidro duplo hermético, que estão compostas por um de seus painéis de float colorido em sua massa ou refletivo, monolítico ou laminado, deverão ser colocadas com vidro exposto para o lado exterior.

Alguns vidros refletivos não são aptos para serem instalados com sua face refletiva exposta as intempéries e/ou devem ser empregados exclusivamente em unidades de vidro duplo hermético, com sua superfície metalizada virada para a câmara de ar. Para mais informações recomenda-se consultar o fornecedor de tais vidros.

Quando se especifica float colorido em sua massa, de grande espessura e/ou laminados com PVC, por serem grandes absorventes de calor, sempre deve-se analisar a necessidade de temperar o vidro, a fim de prevenir sua eventual fratura por tensões térmicas.

9- Tensões térmicas

Quando a ação do calor proveniente do sol e/ou de fonte artificiais se localiza sobre um setor de uma painel de vidro, pode levai a fratura do mesmo, por tensão térmica.

Assim mesmo, deve-se evitar a ação direta das fonte de ar condicionado frio/calor sobre a superfície do vidro. Se não for possível, considere a possibilidade de aplicar o vidro semi-temperado.

Também deve-se evitar a formação de bolsas de calor em áreas próximas ao vidro.

Todas as saliências exteriores, horizontais ou verticais, de mais de 7 cm de profundidade em relação ao respectivo vidro Cram, nas bordas em potencial de produzir tensões térmicas que, segundo sua intensidade, poderiam ocasionar sua ruptura. Esta situação é particularmente importante quando se empregam cristais de cor ou refletivos orientados para o leste, o norte e a oeste. Uma vez colocados os vidros, deve-se retirar todas as etiquetas que haviam sido aplicadas sobre o mesmo. Assim mesmo evite a colocação de elementos que possam criar setores de concentração de calor, tais como papeis cintas ou similares.

10- Manipulação do vidro

Durante as etapas de processamento, transporte, armazenamento e colocação, o vidro deve ser manipulado com segurança e cuidado para evitar sua ruptura, riscos ou danos em seus cantos ou quinas.

A tal fim se empregam os dispositivos e métodos adequados s cada tipo de vidro e suas dimensões.
Os Cristais de espessura grossa e as unidades de vidro duplo hermético não deve ser arrastadas para seu deslocamento, salvo se  se empreguem elementos adequados de proteção em seus cantos e quinas. Um painel de vidro sempre deve ser transportado em posição vertical, para evitar sua eventual ruptura por esforços de flexão.

Evite fazer alavanca sobre o canto para centralizar um painel de vidro em uma abertura; para isso se empregam dispositivos especiais tais como ventosas.

Durante seu armazenamento em obra, os vidros serão colocados verticalmente, com uma inclinação de aproximadamente 7 graus, convenientemente apoiados sobre tacos de madeira em lugar seco, que não receba a ação direta do sol.

Quando se armazenam unidades de vidro duplo hermético, deverão ser tomados cuidados para proteger sua vedação perimetral das bordas. Em nenhum caso deverá ser instalado um vidro duplo que apresente danos na selagem e/ou bordas do vidro.

11- Limpeza na obra

Uma vez instalado o vidro em uma esquadria ou abertura, evite aquelas operações que possam manchar, riscar, ou deteriora-lo de algum modo.
Caso tenham-se de realizar trabalhos adjacentes a um painel de vidro, este deverá ser protegido convenientemente.

As fagulhas de solda podem danificar a superfície do vidro permanentemente.
A alcalinidade do cimento pode manchar a superfície do vidro. Em caso de restos desse material, pastoso ou diluído, afetarem a superfície de um vidro, este deverá ser lavado imediatamente com agua abundante.

Os cristais refletivos possuem uma superfície mais delicada; portanto, deverão receber maiores cuidados de proteção durante a obra.
Cuidados especiais devem ser tomados quando se faz a limpeza das fachadas revestidas com granito, fulget ou outros tipos de revestimento.

Nelson Firmino é consultor de esquadrias, professor universitário e proprietário da Aluparts Engenharia e Consultoria.


Retirado de:

O VidroPlano

Data de Publicação:

09/10/2013 ás 15:59

Voltar
Rua Engenheiro Bianor,164 - CEP: 05502-010 - Butantã - São Paulo - SP
© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados

Telefones: 55 11 3816-0122 / 3816-5311 / 3817-5665
Email: contato@aluparts.com.br / aluparts@aluparts.com.br