Coberturas com Vidro

19/01/2011

Para executar coberturas com vidro, sejam skylights, tetos, marquises ou revestimentos, é fundamental observar alguns cuidados indispensáveis: segurança de terceiros, esforços atuantes sobre os vidros, deformações, declividade do envidraçamento, proteção da superfície, procedimentos de aplicação, normas e responsabilidade técnica e detalhes construtivos. Destacam-se os seguintes pontos:

1. Segurança das pessoas que transitam ou estacionam sob a cobertura. As normas técnicas recomendam a utilização dos vidros de segurança, vidros laminados, vidros temperados laminados e vidros insulados. O vidro comum monolítico ou vidro somente temperado não é permitido.

2. Esforços atuantes a serem considerados.

Peso Próprio do vidro 10 mm de espessura 25 Kgf/m²
Esforços durante a manutenção 25 Kgf/m²
Esforços devido à pressão dos ventos 50 Kg/m² (*)

 



3. Deformações do vidro
Deformação lateral - Linearmente, o vidro contrai-se ou se expande na proporção de 0,01 mm por metro e grau centígrado de variação da temperatura. O vidro nunca deve ficar gessado, deve ser fixado por materiais elásticos. O vidro deve flutuar. Deformação vertical - O vidro apoiado nas bordas tende a formar bolsas. A água e outras impurezas estancam e comprometem o aspecto e a segurança. O vidro instalado no plano horizontal deforma como uma calota.

4. Declividade
É indispensável que os vidros aplicados no plano horizontal tenham declividade superior a 5%. A declividade deve permitir que a água das chuvas possa escoar sem estacionar sobre o vidro. A lâmina de água, com 10 cm, pesa 100 Kg por metro quadrado de cobertura. É um esforço suplementar que compromete o desempenho do envidraçamento.

5. Proteção da superfície
A superfície do vidro tem alta resistência, mas pode ser danificada por materiais arenosos ou metálicos. Para aumentar a resistência e aspecto original podese fazer a aplicação de polímeros que a tornam repelente a impurezas. Como consequência, o período entre limpezas é prolongado.

6. Procedimentos para aplicação do vidro
O vidro precisa movimentar-se livremente. Na cobertura, não deve haver saliências que impeçam a caída da água. O sistema de drenagem é fundamental podendo ser por gravidade ou por meio de calhas e coletores dimensionados corretamente. O vidro não deve ficar em contato com qualquer tipo de material rígido como perfis, parafusos, cimento, alvenaria e outros.

7. Normas Técnicas ABNT para consulta
NBR 11706 – Vidros na Construção Civil – Especificação.
NBR 7199 – Vidros na Const. Civil – Projeto, Execução e Aplicação.
NBR 6123 – Força devido à ação dos ventos.

8. Responsabilidade técnica
Todo sistema de envidraçamento em coberturas deve ter a respectiva A.R.T. (Anotação de Responsabilidade Técnica), instrumento com o objetivo de definir, para efeitos legais , a autor ia e os limites da responsabilidade técnica pela execução de obra perante o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de São Paulo (CREA).

Retirado de:

http://www.newsflip.com.br/pub/revistavidroimpresso//index.jsp?edicao=1334

Data de Publicação:

20/09/2013 ás 12:11

Voltar
Rua Engenheiro Bianor,164 - CEP: 05502-010 - Butantã - São Paulo - SP
© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados

Telefones: 55 11 3816-0122 / 3816-5311 / 3817-5665
Email: contato@aluparts.com.br / aluparts@aluparts.com.br